Brazil: Mining Is Planned For More Than Half Of The Yanomami Indigenous Land


Translated from Portuguese by Christopher Alex Chable', Original Below

The Napë do not have a treaty with the Yanomami; they did not have one when they illegally took gold from the territory nor do they now as they present a document to legitimize their mining claims. Napë means “white man” in the Yanomami language. To refer to an enemy, it gains an extra syllable: napëpë.

For the Yanomami, napëpë are gold diggers who since the 1980’s have come to invade their lands, to pollute their rivers, to destroy their forests and to kill their people through massacres and disease. Prospectors come and go, but the always return. But from here on out, nepëpë can also be politicians and the authorities that want to allow large mining companies into their territories.

However, the new, frightening face of the gold rush is no longer a phantom for the Yanomami Natives but a real menace. In the workings since 1996, a bill that regulates mining in Indigenous lands has been amended, this time, by the Federal Representative Édio Lopes (PMDB/RR). The amended bill was presented this month and is available for review on the Internet.

“Problems have happened with the prospectors; they have gotten better, but now they are being repeated. The National Congress wants to approve the mining bill. And companies now have their eyes on Native lands. They are discussing it and think that because we’re far away we aren’t listening. We are in the jungle, but we know about everything,” says Davi Kopenawa, the main indigenous leader of the Yanomami people and who, for the past 25 years, has denounced the presence of illegal mining in the area.

Assembly

Between the 15th and 20th of last month (October), illegal mining and the regulation of mining in Indigenous land were two of the main points of discussion during the 7th Assembly of Hutukara Yanomami and Ye’kuana Association, that took place in Davi's home in the town of Watoriki, in the region of the Municipality of Barcelos, in Amazonas, bordering the state of Roraima.

For Davi, the arrival of mining in Yanomami lands will bring ruin to his people. “It will pollute the river source, the water that the people drink, it will open a road, topple thousands of trees great and small; the heavy machines will come, for us they are like giant monsters. Many people will want to come here, even from other countries to take away our gold, diamonds and precious stones. We don’t want mining in our land,” he affirmed.

Currently, there are many companies “eying” the mineral wealth of the Yanomami Indigenous Land. At the request from reports from A Crítica, The National Department of Mineral Production (DNPM according to the Portuguese) sent the most up-to-date list of mineral survey requirements. There are more than 650 requested petitions to mine different minerals in addition to gold between the 1970’s and the year 2012 just within the Yanomami Indigenous Lands in the areas of the states of Amazonas and Roraima.

A DNPM map, to which the reporters had access, clarifies the shocking size of the territories in Yanomami Lands coveted by mining companies.
disputada ACRIMA20121102 0039 5
Independent researcher Telma Monteiro, who reported and edited the required coverage exclusively for A Crítica, estimates that 80% of the Yanomami's land is set aside for mining companies who just barely uphold the regulations.

Breaks and Constitution

Federal representative and author of the amended bill Édio Lopes defends the project recalling that the regulations were anticipated in the 1988 Constitution. He projects that the indigenous communities will be consulted and that “some breaks” will be established. Withing the conditions, Lopes includes lands that the natives considered theirs, though not ratified as native land, that are “isolated and out of reach of white society.”

PL foresees a monthly payment of 2% of the gross income to the native population affected by the mining activities. Inquiring if the Yanomami are in the following category, as their lands are ratified, he affirms below:

“Yes, they are aloof and don't know a lot about our system. But there are Yaomami that are in favor. There was a meeting in São Gabriel da Cachoeira (in Amazonas) where there were Yanomami natives that wanted mining. It is just the Yanomami under Davi's influence that do not want it,” says Lopes.

The MPF Appeal

On the 15th of October, the Public National Ministry of Roraima initiated an appeal in the Regional Federal Tribunal1 (TRF1) asking for the annulment of all of the pending mining and work permits in the DNPM and of mineral surveys in indigenous lands in Brazil – not just in Roraima.

The MPF/RR has already come in asking for guardianship against the DNMP, but was initially denied. In accordance with the attorney general of Roraima's office, there are only 1,200 work petitions in indigenous land in the state.

For Attorney General Fernando Pacheco, this request does not have legal restrictions and should not be denied. Pacheco believes that with the current repercussions from the spread of Representative Edio Lopes' amendment, the piece will ultimately be attacked.

In action, Attorney General Fernando Pacheco say that the current policy in DNPM is “the illegal practice of suspending the administrative procedures of authorizing a geological study in indigenous lands, without a defined deadline; this regulatory legislation in the workings of the constitution has the clear intention of guaranteeing the right of local requesters' preferences.”

“Each work request requires a transparent and free query. The indigenous community could deny this once Brazil ratifies the international treaties that mandate the consultation of indigenous communities,” affirmed Pacheco. Fernando Pacheco, who participated in the Hutukara Assembly in the town of Watoriki, was worried with the advance of the mining companies' interest in Yanomami lands, especially in the moment towards regulation.

“The prospectors have had a devastating effect on the Yanomami communities, with environmental pollution and the emergence of violence. If the mining were regulated, the arrival of miner would risk completely altering a culture that is completely unique to Brazil and endangered at a level that cannot be compared to others; that is the Yanomami,” he emphasized.

Anthropologist and assessor of the Institute of Socioeconomic Studies (Inesc), Ricardo Verdum, told the journal, A Crítica that he worries about the mode of how the federal legislature is treating this, brushing aside what the national and international community believe regarding the rights of indigenous people to free, transparent and informed consultation.

Convention 160 of the International Labour Organization enthusiastically began internationally on September 5, 1991. It has three articles that are extremely relevant to the theme of impartial consultation; they are Article 6, Article 7 and Article 15. To summarize what is established in these three articles, I say the following: that it is guaranteed that Indigenous communities are able to define their own priorities regarding development; it is guaranteed that they largely control their own economic, social and cultural development; it guarantees that these communities in the formulation, the implementation and the assessment of plans and programs of national and regional development that will directly affect them,” he explained.

Interview with Geologist Paulo Ribeiro de Santana, Auditor of DNMP

Question: Have companies trying to enter in these requests for survey have they had there demands met?

Answer: No.

Question: Is the DNPM going to support the regulation of mining in Indigenous Lands?

Answer: No, the procedures are already suspended.

Question: In the case that the requests have not yet been taken care of, will the companies still be preferred in the concession, when the National Congress approves the Bill?

Answer: What would answer that question is the new text that would be approved by the National Congress, and nobody knows if it is what the Delegate is proposing as the amendment. That doesn't mean that the amendment will be passed, it will certainly be submitted for the the members of Parliament to deliberate if it passes or not.

Source: Amazonia External link

Portuguese Original

Mais da metade da Terra Indígena Yanomami está destinada para a mineração

Napë não tem dado trégua aos yanomami. Nem quando tira ouro de forma ilegal nem agora, quando apresenta um documento para legitimar a atividade garimpeira. Napë é “homem branco” na língua yanomami. Se for inimigo, ganha uma sílaba a mais: napëpë.

Para os yanomami, napëpë são os garimpeiros que desde os anos 80 vêm invadindo suas terras, contaminando seus rios, destruindo suas florestas e matando sua população por massacre e por doença. Os garimpeiros saem, são retirados, mas retornam. Mas a partir de agora, nepëpë podem também ser os políticos e as autoridades que querem permitir a entrada de grandes empresas mineradoras em suas terras.

A nova face da corrida do ouro que tanto assombra os índios yanomami deixou de ser um fantasma, uma ameaça que, embora próxima, não se concretizava. Em tramitação desde 1996, o Projeto de Lei que regulamenta a exploração de minérios em terra indígena recebeu uma nova versão, desta vez do deputado federal Édio Lopes (PMDB/RR). O substitutivo foi anunciado neste mês e colocado para consulta na Internet.

“Os problemas com o garimpo aconteceram, foram reduzidos, mas agora estão se repetindo. O Congresso Nacional quer aprovar o projeto de mineração. As empresas já estão de olho nas terras dos índios. Eles estão discutindo e pensam que, por estarmos longe, não estamos escutando. Estamos na floresta, mas sabemos de tudo”, diz Davi Kopenawa, principal liderança indígena do povo yanomami e que há 25 anos vem denunciando a presença de garimpo ilegal na área.

Assembleia

Entre os dias 15 e 20 do mês passado, o garimpo ilegal e a regulamentação da mineração em terra indígena foram dois dos principais assuntos discutidos na 7ª Assembleia da Hutukara Associação Yanomami e Ye´kuana, realizada na aldeia Watoriki, casa de Davi, região do Município de Barcelos, no Amazonas, divisa com o Estado de Roraima.

Para Davi, a entrada da mineração na terra yanomami vai levar calamidade a seu povo. “Vai sujar a fonte do rio, a água que a gente bebe, vai abrir estrada, derrubar milhares de árvores grandes e pequenas, entrar máquina pesada, que para nós é como monstro grande. Muita gente vai querer vir para cá, até de outros países, para pegar ouro, diamante e pedras preciosas. Não queremos mineração na nossa terra”, afirmou.

Realmente, há muitas empresas “de olho” na riqueza minerária da terra indígena yanomami. A pedido da reportagem de A CRÍTICA, o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), enviou a lista mais atualizada de requerimentos de pesquisa minerária. São mais de 650 processos pedidos desde a década de 70 até o ano de 2012 apenas na TI Yanomami, em áreas dos Estados de Amazonas e Roraima, para explorar diferentes substâncias, não apenas ouro.

Um mapa do DNPM o qual a reportagem teve acesso torna mais nítida – e chocante – a dimensão territorial cobiçada pelas empresas de mineração na terra yanomami.

A pesquisadora independente Telma Monteiro, que identificou e editou a cobertura requerida pelas empresas exclusivamente para A CRÍTICA, estima que 80% da terra dos índios yanomami estão destinadas às empresas mineradoras que apenas aguardam a regulamentação.

Freios

O deputado federal Édio Lopes, autor do substitutivo, defende o projeto lembrando que a regulamentação está prevista na Constituição de 1988. Ele ressalta que as comunidades indígenas serão consultadas e que “alguns freios” serão estabelecidos. Lopes inclui, nesta condição, as terras ainda não homologadas e os índios considerados por eles de “arredios e de pouca compreensão da sociedade do branco”.

O PL prevê um pagamento mensal de 2% do faturamento bruto à população indígena afetada pela atividade de mineração. Indagado se os yanomami estão na segunda categoria, já que suas terras são homologadas, ele deu a seguinte afirmação: “Sim, eles são arredios e não conhecem muito do nosso sistema. Mas existem yanomami que são a favor. Estive numa audiência em São Gabriel da Cachoeira (no Amazonas) e havia índio yanomami que queria mineração. Apenas os yanomami influenciados pelo Davi é que não querem”, disse Lopes.

Constituição

O deputado federal Edio Lopes, autor do substitutivo, defende o projeto lembrando que a regulamentação está prevista na Constituição de 1988. Ele ressalta que as comunidades indígenas serão consultadas e que “alguns freios” serão estabelecidos. Lopes inclui nesta condição as terras ainda não homologadas e os índios considerados por eles de “arredios e de pouca compreensão da sociedade do branco”.

O PL prevê um pagamento mensal de 2% à população indígena afetada pela atividade de mineração.

Indagado se os yanomami estão na segunda categoria, já que suas terras homologadas, ele afirmou deu a seguinte afirmação: “Sim, eles são arredios e não conhecem muito do nosso sistema. Mas há yanomami que são a favor. Estive numa audiência em São Gabriel da Cachoeira (Amazonas) e havia índio yanomami que queria mineração. Apenas os yanomami influenciados pelo Davi é que não querem”, disse Lopes.

Recurso do MPF

O Ministério Público Federal de Roraima entrou no último dia 15 de outubro com um recurso no Tribunal Regional Federal 1 (TRF1) pedindo a anulação de todos os requerimentos pendentes no DNPM de lavra garimpeira e de pesquisa de mineração em terra indígena no Brasil – e não apenas em Roraima.

O MPF/RR já havia entrado com uma antecipação de tutela contra o DNMP com o mesmo pedido, mas a liminar foi negada. De acordo com a procuradoria federal de Roraima, apenas naquele Estado há 1.200 pedidos de lavra em terra indígena.

Para o procurador Fernando Pacheco, este pedido não tem regulamentação legal e nem deveria estar sobrestado. Pacheco acredita que, com a repercussão atual em função da divulgação do substitutivo do deputado Edio Lopes, a peça seja enfim acatada.

Na ação, o procurador Fernando Pacheco diz que o que há em vigor atualmente no DNPM é “a prática ilegal de suspensão do procedimento administrativo de autorização de pesquisa mineral em terra indígena, sem um prazo definido, prática essa que tem a nítida função de garantir o direito de preferência ao requerente da área, quando sobrevier legislação regulamentadora dos dispositivos constitucionais acima citados”, “Para cada pedido de lavra é preciso uma consulta prévia e livre. A comunidade indígena pode negar, uma vez que o Brasil signatário de tratados internacionais que prevê a consulta aos povos indígenas”, afirmou Pacheco.

Fernando Pacheco, que participou da assembléia da Hutukara, na aldeia Watoriki, demonstrou preocupação com o avanço do interesse minerário na terra yanomami, especialmente neste momento em que se caminha para sua regulamentação.

“O garimpo já tem um efeito devastador para as comunidades yanomami, com poluição do meio ambiente e eclosão da violência. Se a exploração minerária for regulamentada com a expedição das lavras haverá o risco de uma alteração total de uma cultura absolutamente única no Brasil e que tem um grau de preservação quase incomparável com as outras que é a dos yanomami”, destacou.

O antropólogo Ricardo Verdum, assessor do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), disse ao jornal A CRÍTICA que se preocupa com o modo como o assunto vem sendo tratado pelo legislativo federal, desconsiderando a legislação nacional e internacional no que se refere ao direito dos povos indígenas à consulta livre, prévia e informada.

“A Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho entrou em vigor internacionalmente em 5 de setembro de 1991. Ela tem três artigos que são extremamente relevantes para essa temática da consulta prévia, que são o artigo. 6º, o artigo 7º e o artigo 15º. Resumindo o que é estabelecido nesses três artigos, eu digo o seguinte: que é garantido aos povos indígenas definir suas próprias prioridades de desenvolvimento; é garantido a eles controlar, na maior medida do possível, seu próprio desenvolvimento econômico, social e cultural; é garantido a esses povos participar da formulação, da implementação e da avaliação de planos e programas de é garantido a esses povos participar da formulação, da implementação e da avaliação de planos e programas de desenvolvimento nacional e regional que possam afetá-los diretamente”, destacou.

Entrevista com o geólogo Paulo Ribeiro de Santana, ouvidor do DNMP

Pergunta: As empresas que entraram com estes pedidos de pesquisa já tiveram suas demandas concedidas.

Não.

Pergunta: O DNPM vai aguardar a regulamentação da mineração em terra indígena?

Resposta: Não, os processos estão todos sobrestados.

Pergunta: Caso os pedidos ainda não tenham sido atendidos, as empresas terão preferência na concessão, quando o Congresso Nacional aprovar o projeto de lei?

Resposta: Quem vai responder a esta pergunta é o novo texto que for aprovado pelo Congresso Nacional, que ninguém sabe se é o que o Deputado está propondo como Substitutivo. Não significa que o Substitutivo será aprovado, ele certamente será submetido à apreciação dos parlamentares para deliberação se sim ou não.


Tags: Brazil  Yanomami  land  mining  environment  

Distributed by Indigenous Peoples Issues and Resources External link (IPIR). IPIR aggregates, indexes, and distributes content on behalf of hundreds of indigenous nations, organizations, and media outlets. Articles, commentaries, and book reviews that do not identify a source are produced or commissioned by IPIR.

Please help support IPIR. Without your support, we cannot continue to provide articles, videos, news, resources, and more on indigenous peoples issues from around the world. IPIR is the largest distributor of news on indigenous issues, and we host one of the largest databases on indigenous issues in the world. Please help support IPIR - any contribution helps, no matter how small.
Find us on Facebook
Follow us on Twitter
Grab our RSS Feed
Find us on Google Plus